Cura Dente
 
 
 

Adeus às cáries dentárias!
A infecção de gengiva agora terminou!

pelo Dr. Gerard F. Judd, Ph.D., Pesquisador em Química e Fluoretos

5 de maio de 2001

Agora ponho ao alcance de todos a resposta completa à cárie dentária.

Seguindo-se esse procedimento não mais haverá uma cárie, nem um caso de gengivite, nem mais um dente fluoretado, quebradiço e rachado, no mundo.

Dentes ruins na Irlanda, Canadá, EUA, Grã-Bretanha, Austrália e Nova Zelândia serão agora desacelerados. A luta de 55 anos com os promotores do fluoreto (dentistas) nesses países já findou pois pesquisas atuais mostram, com certeza, que o flúor (mais corretamente fluoreto) torna os dentes PIORES e não melhores (refs 1,2,3). Meu livro, Good Teeth, Birth to Death [“Bons Dentes, do Nascimento à Morte”] estabelece, com muita certeza, todos os detalhes para se conseguir as minhas reivindicações.

Tenho conversado com milhares de pessoas sobre seus dentes, muitos dos quais têm dentes perfeitos. Em todos os casos de dentes perfeitos, a prática de enxaguá-los enquanto comem tem sido a razão, e não o flúor. Estou convencido de que dentes perfeitos têm pouco ou nada a ver com genética.

A melhor maneira de se ter dentes perfeitos, além de ficar longe dos dentisas gananciosos e/ou incompetentes, é adquirir o seguinte comportamento:

Comentário de CuraDente: veja Dez dentistas - dez diagnósticos.

1. Enxague os ácidos do dente durante as refeições (ref 4).

2. Escove os dentes com sabão em barra (ref 5).

3. Tome pílulas de cálcio e vitamina D diariamente (ref 6).

4. Tome fosfato de monosódio diariamente (ref 7).

5. Tome ascorbato de sódio preparado na hora diariamente para as conexões do dente para com a gengiva (ref 8).

6. Esquece a preocupação de que as bactérias danificam os dentes: ELAS NÃO PODEM (ref 9).

7. Esquece a preocupação de que o açúcar destrói os dentes. Eu descobri que o açúcar tem pouco ou nada a ver com as cavidades nos dentes (ref 10).

Comentário de CuraDente: o açúcar refinado parece "atuar contra os dentes" por meio de um efeito sistêmico, veja a pesquisa inovadora realizada pelos Drs. Steinman e Leonora..

8. Evite todos os produtos que contenham flúor. Eles destroem os dentes, atrapalham as enzimas e causam 113 doenças conhecidas (ref 11).

[Veja Os efeitos maléficos do flúor: a água fluoretada e a pasta dental com flúor prejudicam os dentes e o corpo e Creme dental: perigoso para a saúde do corpo e dos dentes?.]

Alimentos ácidos

Ao beber um gole de água juntamente com o ácido, durante a refeição, o ácido reage quimicamente com a água imediatamente para formar um íon chamado hidrônio e assim o esmalte é poupado. Pode-se usar leite ou café com o mesmo propósito, já que os dois são ambos não ácidos.

Alguns ácidos nocivos (com pH <4) que têm o gosto azedo e atacam o esmalte incluem limões, toranja, laranjas, abacaxi, kiwi, tomates, vinagre,sidra, vitamina C (especialmente a mastigável) e ácido estomacal [veja Alimentos & bebidas que podem estragar seus dentes] Quanto mais baixo o pH, mais rapidamente os ácidos atacam. O ácido corpóreo (extremamente fraco) é insignificante nesse processo. Alimentos não ácidos como feijões, pão e batatas não agem sobre os dentes. Não há o que se preocupar mais com tais alimentos. A única preocupação sobre alimentos não ácidos é se eles racharão dos dentes, devido à sua dureza. Mastigar gelo, caroços de milho crus, nozes muito duras, ossos ou outros objetos duros não é sábio, já os dentes têm uma resistência-limite à força e se quebram.

Reesmaltação

A reesmaltação é necessária diariamente porque o esmalte lixivia-se levemente com água e também os ossos durante as décadas levando à formação de ossos e dentes esburacados, até mesmo na ausência de ataque ácido. Sem a reesmaltação não poderíamos ter bons dentes.

Bactérias inofensivas aos dentes

Observe os bilhões de restos animais e humanos sobre a Terra, que perderam toda a carne e ficaram reduzidos a esmalte dentário e ossos. É muito evidente que os dentes estiveram em contato com bactérias, mas não foram afetados. O mesmo com os dentes humanos. Eles não podem ser afetados por bactérias porque não há carbono ou hidrogênio no esmalte, dos quais subsistem as bactérias. O estudo do streptococcus mutans como fonte da assim chamada “cárie” é um desperdício de recursos governamentais doados a organizações odontológicas.

Comentário de CuraDente: As bactérias poderão não atacar diretamente o esmalte, mas elas comem os resíduos alimentares e excretam ácidos que, por sua vez, podem dissolver o esmalte. Quanto ao papel do açúcar e da farinha, veja a pesquisa dos Drs. Steinman & Leonora (role até "O açúcar e outros alimentos cariogênicos não produzem mais ácidos bacterianos que o alimento saudável").

Fluoreto

O flúor dos géis usados (indevidamente) para endurecer o esmalte é extremamente tóxico numa concentração de 13.000 ppm (1,3%). Keith Kantor, de McMinneville, Oregon morreu na cadeira do dentista há 3 anos, ao engolir metade de uma colher de chá do gel. Seu irmão quase morre em razão do mesmo tratamento, mas foi salvo ao ter gluconato de cálcio administrado a ele.

O Dr. Albert Schatz, agraciado com prêmio Novel, que descobriu a estreptomicina, descobriu há várias décadas que os dentes de tubarão, com seu excessivo conteúdo de flúor, dissolviam-se tão rapidamente em ácido cítrico como os dentes comuns não-fluoretados, enterrando a hipótese de que o fluoreto poria fim às cáries. A American Dental Association [Associação Odontológica Americana] pôs de lado essa descoberta e as descobertas do Dr. Schatz, quanto ao número excessivo de mortes de bebês causadas pela fluoretação no Chile, como insignificante.

Eles devolveram suas cartas 3x sem abri-las e se recusaram a tratar com ele.

Três pacientes de diálise da Faculdade de Medicina da Universidade de Chicago foram mortos 3 anos atrás quando enfermeiras usaram água de torneira não purificada na diálise. A água de Chicago contém 2 ppm de fluoreto nela, durante o inverno.

A água fluoretada é letal para pacientes de diálise. O fluoreto é também muito nocivo para os rins de pessoas comuns.

Você pode verificar a dose letal de um grande número de substâncias químicas desde o botulinum e veneno de cobra ao açúcar, uma não-toxina, nas páginas 57 e 58 do meu livro Good Teeth, Birth to Death [Bons Dentes, do Nascimento à Morte]. É interessante que a dose letal de composto fluoretado para um homem de 50 Kg é 2,5 mg (ácido fluoroacético) e 400 mg para o óxido de arsênico. Inúmeros animais, pessoas e peixes na Terra, principalmente nos EUA, têm sido mortos por fluoreto, mas muito poucos, por arsênico.

As companhias que produzem pasta dental são obrigadas a por sinais de advertência nas embalagens, de modo que crianças não venham a consumir o suficiente do material com 1000 ppm (0,1%) que os adoeçam ou lhes cause a morte. Essa exigência decorre de ações judiciais em que crianças foram envenenadas por pasta dental contendo fluoreto.

Os dados mais confiáveis disponíveis indicam que cerca de 120.000 pacientes com câncer são mortos anualmente em razão do fluoreto em sua água de beber. Esse número inclui pacientes com todo tipo de câncer. A responsabilidade pelo aumento dramático de casos de câncer nos EUA, nos últimos anos, recai provável e diretamente nos ombros dos dentistas, devido à sua incansável energia em convencer conselhos municipais a por fluoreto na água para "os dentes das crianças." Eles conseguem fazer isso graças às grandes doações governamentais. É irracional crer que “qualquer coisa” no ambiente causa câncer. A característica ímpar do íon de fluoreto para destruir enzimas merece atenção.

Comentário de CuraDente: você poderá querer examinar, ao contrário, fontes naturais de “cálcio” (veja Nutrição) incl. Cavalinha [em inglês] e também suplemento de vitamina D com vitamina K2.

Referências (em inglês)

Clique aqui.

Veja Auto-cura de dentes, regeneração e rebrota de dentes e gengivas.

Mais pesquisa "alternativa"

 
Copyright © 2020 CuraDente.com. Todos os Direitos Reservados.