Cura Dente
 
 
 

Um problema de saúde comum e significativo, segundo autores como o falecido George Meinig DDS e também os dentistas Drs. Graeme Munro-Hall e outros, as infecções de cavitação dentária são raramente reconhecidas já que elas são de difícil detecção por raios-X e sua presença não é ensinada nas faculdades de odontologia.

Que é uma cavitação dentária e como ela é formada?

Uma cavitação dentária pode se formar – e frequentemente o faz – após algum trauma que afete a mandíbula ou o maxilar. É praticamente um “buraco” que se forma na mandíbula/no maxilar, que pode chegar ao tamanho da ponta de um dedo polegar ou maior.

No mais das vezes, as infecções em cavitações são desencadeadas após a extração (imprópria) de um dente, principalmente no caso dos dentes do siso e molares em adultos (crianças raramente as têm). Em verdade, segundo a empresa Cavitat Medical Technologies, Inc., cerca de 80% de todas as extrações realizadas em adultos, no final se tornam infecções cavitacionais.

Há vários caminhos pelos quais uma cavitação na mandíbula ou no maxilar pode aparecer, devido a erros técnicos e/ou falha em remover integralmente qualquer infecção subjacente ao redor do dente extraído.

Quando se extrai um dente (mesmo que seja ele saudável), o encaixe e o osso mandibular/maxilar ao seu redor são tipicamente quebrados ou fraturados, o que reduz o suprimento de sangue ao osso traumatizado e assim se estabelece o ambiente perfeito para a formação de uma cavitação.

Além disso, os dentes que são extraídos frequentemente possuem raízes e/ou membranas infectadas e, a não ser que todo o material infectado seja removido juntamente com o dente, algum do material infectado será deixado para trás. O sangue produzido durante a extração coagulará no encaixe, que gradualmente se fechará, vedando em seu interior bactérias que alegremente se multiplicarão e iniciarão uma infecção cavitacional.

Na maior parte dos casos, o resultado final (que pode levar anos para acontecer e que é geralmente indolor, sem sinais alguns de infecção aguda como inchaço, vermelhidão, etc) parece ser a formação de um centro oco ou cavidade revestida com osso morto (a morte desse osso ou osteonecrose isquêmica se deve à pobre perfusão de oxigênio oriundo do sangue). O corpo reage vedando a área com gordura.

Outras maneiras de formação de cavitações

A mandíbula e o maxilar não são os únicos ossos do corpo humano onde podem surgir infecções de cavitações – os cirurgiões ortopédicos há longo tempo sabem que elas ocorrem após vários traumas ao esqueleto. Já que as cavitações geralmente se originam de uma interrupção do suprimento de sangue ao osso, com a subsequente morte dele, qualquer acidente que cause grave lesão ao osso, pode causar um infecção cavitacional, com o osso morto a permitir que bactérias se estabeleçam na área necrosada. No que respeita as cavitações mandibulares/maxilares, além do trauma físico como a queda sobre o queixo ou receber uma pancada em sua mandíbula/maxilar, o tratamento de canal4  e o tratamento ortodôntico5  podem também dar início a uma infecção cavitacional. As cavitações da mandíbula e do maxilar são também encontradas sob dentes impactados (frequentemente os dentes do siso), como também embaixo de dentes infectados ou mortos.

Por último, porém não menos importante, as injeções dentárias podem desencadear uma infecção cavitacional em sua mandíbula/maxilar. Embora isso possa ser parcialmente devido ao fato de que o anestésico local normalmente reduz o suprimento de sangue, permite-se especular aqui se isso ocorre em sua maioria nas injeções aplicadas rapidamente e não naquelas aplicadas devagar. Com base em experiência pessoal, o primeiro caso dói muito (i.e. inflige dano ao teccido) enquanto que o segundo caso é em verdade indolor.6

Efeitos e sintomas das cavitações

As infecções cavitacionais podem ser silenciosas, indolores e assintomáticas durante muitos anos, mas elas podem também representar uma vasta gama de efeitos extremamente graves. Elas podem causar nevralgia trigeminal, dor facial/mandibular/maxilar e/ou enxaquecas crônicas.* Quando esse tipo de dor é tida equivocadamente como dor de dente, dentes saudáveis são frequentemente extraídos ou tratados no canal de sua raiz, com as consequências potenciais (como mais infecções focais).2

Os efeitos sistêmicos de cavitações podem incluir padecimentos tais como síndrome de fadiga crônica, incapacidade para se concentrar, alergias, irite crônica, tremor semelhante ao da doença de Parkinson, ansiedade e mais.

* Há um termo especial - NICOs (do inglês: neuralgia-inducing cavitational osteonecrosis – osteonecrose cavitacional induzente à nevralgia, isto é, uma cavidade revestida com osso morto que causa dor) – para designar cavitações que levam à dor nevrálgica.

Podem as cavitações se auto-curar?

Não, segundo os autores mencionados nessa página, ao argumentarem que a infecção está encapsulada e inacessível ao suprimento sanguíneo/sistema imunológico e que a única maneira de se controlar tais infecções é remover o dente ou dentes afetados e limpar cirurgicamente o osso mandibular/maxilar.

(Não apenas) por puro princípio, CuraDente cordialmente discorda :-). Uma das razões é a seguinte: se as infecções da cavitação produzem efeitos sistêmicos, deve haver uma “saída” em algum lugar, por onde eles se propagam. E uma saída geralmente também funciona como uma entrada, assim deverá haver também um acesso natural a eles.

Além disso, até mesmo a Wikipedia (não exatamente conhecida como “favorável aos alternativos”) relata que a osteonecrose (necrose avascular, necrose óssea isquêmica), em várias partes do esqueleto humano, tem sido observada em remissão espontânea (essa admissão, ao menos pode ser encontrada em sua versão alemã).

Limpeza/remoção de infecções cavitacionais com cirurgia

Dependendo do tamanho da cavitação, essa pode ser uma operação de grande envergadura. O osso é aberto com uma broca, o tecido ósseo mole, morto e infectado é raspado e jogado fora e o osso saudável subjacente é completamente lavado e desinfetado (Os Drs. Munro-Hall usam uma solução salina, iodo e óleo de cravo para esse fim). Após uma cavitação ser completa e profissionalmente limpa dessa forma, os sintomas e aflições mencionados acima geralmente desaparecerão rapidamente.

Como saber se você tem uma infecção cavitacional

Tente pressionar com seus dedos nos dois lados da mandíbula acima de um dente suspeito. Uma sensação dolorida quando você pressiona com maior pressão indica a presença de uma cavitação.

Como já mencionado, raios-x dificilmente proverão uma pista sobre a presença de uma cavitação (enquanto que, simultaneamente, aumentam o risco de câncer da tireóide), uma máquina especializada, o Cavitat Ultrasound Scanner [Tomógrafo Ultrassônico Cavitat],  tem vindo, em décadas recentes, em resgate. Uma varredura do Cavitat proverá um meio confiável de determinar a presença de uma cavitação, bem como sua localização e extensão em três dimensões (graças ao fato de a infecção cavitacional ser oca).

Infecções de cavitações dentárias: abordagens de auto-ajuda terapêutica?

As sugestões seguintes são para aqueles que, ou por razões finaceira e/ou outras não querem ter suas (presumíveis ou confirmadas) cavitações tratadas com cirurgia, ou que não querem gastar tempo para realmente encontrar o (provavelmente raro) dentista que usa um tomógrafo Cavitat e tem conhecimento sobre cavitações e de como limpá-las.

Aqui, outra vez, o(a) amável leitor(a) é lembrado(a) de sua responsabilidade com sua própria saúde (veja Renúncia de Responsabilidade). Se qualquer um dos seguintes remédios caseiros não ajudar, há, de qualquer modo, o mínimo de possibilidade de que façam algum mal. (Esteja ciente de que as cavitações embora frequentemente sejam “silenciosas”, podem ainda ser confundidas com as “mais simples” mas geralmente “mais barulhentas” infecções de raiz dentária, para as quais CuraDente criou a página exclusiva Remédios para infecção de raiz dentária: abordagens terapêuticas não tóxicas, não-invasivas e/ou naturais, baseadas em evidência casual.)

1 Óleo de borragem (e espirulina): um testemunho impressionante

Durante vários anos tive um molar apodrecido que previamente tinha sido (várias vezes) tratado e obturado (primeiramente com amálgama de mercúrio, depois com ouro). Finalmente deixei-o sem cuidados, após a queda da última obturação. Isso fez com que a gengiva abaixo do dente (a área da raiz) se tornasse dura e inchada (sobressaindo em 1,5 cm) e também dolorida ao ser pressionada com o dedo. Embora eu não saiba o diagnóstico exato (isto é, era essa uma “infecção de raiz dentária” ou uma cavitação – lembre-se de que dentes infectados e mortos podem também provocar cavitações – eis como eu finalmente me livrei dela (após viver com ela por cerca de três anos).

Além de uma dieta saudável (que sempre sigo), apliquei com regularidade óleo de melaleuca e finalmene experimentei a EFT, que de algum modo reduziu a saliência que estranhamente saía para fora (lembre-se de que tudo é energia). Um dia eu também acrescentei óleo de borragem, que tomei juntamente com espirulina, numa dose de talvez uma colher de sopa de óleo por dia. Aproximadamente após três semanas com essa prática, notei que a saliência se achatava ou “esvaziava” e, para a minha maior surpresa, desapareceu completamente em três dias.

Embora o molar em si continue a ser um certo tipo de “ruina”, até mesmo uma pressão maior com o dedo sobre a gengiva abaixo dele apenas provocará um mínimo de desconforto hoje( se o faça). Atribuo essa cura ao efeito terapêutico do ácido gama-linoleico (AGL- do qual o óleo de borragem é uma rica fonte) ao qual se atribuem propriedades antiinflamatórias e outras propriedades terapêuticas. Já havia tomado espirulina antes sem obter resultados consistentes, portanto não creio que esse resultado inesperado seja devido à espirulina.”

2 Lavagens com água salgada para “desidratar” infecções focais

Moléculas de cloreto de sódio que migram, via osmose, para a mandíbula (ou o maxilar), podem ser capazes de atingir a cavitação e matar o microorganismo. Para permitir penetração mais profunda, você deverá conservar a salmoura em sua boca pelo tempo que for possível.3

3 Óleo de oliva e compressas com folhas de repolho: “armas terapêuticas secretas” da natureza

O padre Thomas Häberle (mais sobre ele em Extração a óleo) colheu muitos sucessos usando massagens com óleo de oliva para doenças da cabeça e ossos. O óleo de oliva é capaz de penetrar nos ossos mais duros) e assim trouxe a cura para essas áreas. O óleo de oliva é anti-inflamatório e penetra profundamente e os seus efeitos são duradouros. O padre também combinava óleo de oliva com sal, o que aumenta o calor e assim melhora o suprimento de sangue à área massageada. Infecções menos graves da mandíbula ou do maxilar geralmente render-se-ão a massagens diárias com óleo de oliva.
Thomas Häberle frequentemente prescrevia cataplasmas com folhas de repolho também, um antigo remédio popular com poderosos efeitos de cura e desintoxicação.

4 Extração a óleo

A extração a óleo constitui um poderoso modo de cura dental que em si mesmo pode ser extremamente útil contra infecções cavitacionais, especialmente se usado o óleo de oliva, ao invés de qualquer outro óleo.

5 Ozônio

pode ser usado para exterminar bactérias em cavitações e em encaixes dentários de dentes extraídos (se for possível acessá-los). Alternativamente, o peróxido de hidrogênio (água oxigenada) deverá surtir um efeito similar.

6 MMS

Veja em inglês Brushing teeth with MMS: Using chlorine dioxide aka Miracle Mineral Supplement instead of toothpaste.

Como prevenir a formação de infecções cavitacionais

Evite qualquer ferimento à mandíbula, ao maxilar e dentes, como também quaisquer outros "desencadeadores" potenciais de cavitação mencionados acima. Esforce-se para viver o mais saudavelmente possível e fortifique seu corpo e sistema imunológico com super-alimentos naturais e medidas frequentes de desintoxicação. Se uma extração dentária tornar-se verdadeiramente inevitável, encontre um dentista que use um protocolo como o sugerido pelos Drs. Munro-Hall no livro deles Toxic Dentistry Exposed [A Odontologia Tóxica Revelada], que tem por objetivo ser tão suave e completo quanto possível, para evitar a rachadura do osso e que se deixe material infectado no local (um procedimento demorado).

Como encontrar um dentista em sua área que use um tomógrafo Cavitat

Isso poderá (ou não) ser particularmente fácil. Pessoalmente não tenho informação sobre dentistas que usem um tomógrafo Cavitat ou quantos dentistas usam esse equipamento e onde, no mundo, eles trabalham. Sugiro contatar o International Academy of Oral Medicine and Toxicology (www.IAOMT.org) ou, se eles devam estar mais perto de onde você vive, o Australasian Society of Oral Medicine and Toxicology (ASOMAT) (http://home.iprimus.com.au/asomat/index.html). Um dentista que possui um ultra-sonógrafo Cavitat, que descobri nos EUA  (Utah) pode ser encontrado em www.drwalldds.com/cavitations.html .

Notas de pé de página

1 Para mais detalhes, o leitor interessado é referido ao livro Toxic Dentistry Exposed.

2 Veja Tratamento de canal de raiz dentária e Extraindo/Arrancando dentes: riscos e perigos potenciais à saúde.

3 Em geral, a água salgada é o melhor remédio para dor de dente.

4 Veja em inglês Laura Lee interview with George Meinig, DDS & Dr. M. LaMarche on the dangers of cavitations & root canals

5 Mais Riscos potenciais do tratamento ortodôntico.

6 Outros riscos da anestesia odontológica.

Riscos diversos relacionados às práticas da odontologia convencional

 
Copyright © 2020 CuraDente.com. Todos os Direitos Reservados.