Cura Dente
 
 
 

O dentista que provou a importância vital da nutrição rica em minerais para a saúde dentária

Com base em suas décadas de observação de pessoas com cárie e aquelas resistentes à cárie, o dentista Dr. George W. Heard dedicou todo um livro chamado Man versus Toothache [O Homem e a Dor de Dentes] ao assunto da influência de minerais e oligoelementos (como encontrado no alimento diário nosso) na saúde dental (ou sua ausência). Aqui estão algumas citações pertinentes que mostram essa ligação decisiva.

Necessita-se de todos os elementos para construir corpos saudáveis. Muitos minerais, além de fósforo, cálcio e magnésio servem para construir dentes saudáveis. Apenas um traço de iodo, boro, flúor ou cobre pode ser necessário, mas a menos que seja ele suprido, o processo de construção é debilitado e a fundação estabelecida para deterioração dental... Para se tornarem disponíveis ao corpo humano...esses minerais têm de ser orgânicos e coloidais. Eles têm de ser supridos por plantas que os tirou do solo e os processou – ou por meio de animais que comeram essas plantas – ou seja, na forma de carne, leite, manteiga e ovos. Então, se o alimento não for suprido em seu estado natural, não adulterado e não refinado, uma porção considerável do conteúdo de minerais e vitaminas é perdida.

Por essas razões, sempre aconselhei meus pacientes: Melhor é consumir seu trigo moído com película e tudo, sem que se retirem o farelo. Melhor á assar batatas com casca e comê-las por inteiro. Não jogue fora as folhas externas de mostarda, espinafre ou alface. Pois são a vagem, a pele e as folhas mais externas que armazenam a maior parte dos minerais e vitaminas... Toda a minha pesquisa e todas as autoridades que investiguei,convenceram-me que as carnes cozidas de todos os tipos são alimentos indesejáveis.

No todo, o que vi no cinturão de iodo da Carolina confirmou minha teoria: seja em Hereford, Charleston, New Orleans, New York ou Los Angeles, se as pessoas apenas se alimentem de comida natural, produzida em solo totalmente fértil, e com ampla variedade, e bebam muito leite cru integral, produzido a partir de pastagens férteis, eles podem evitar dor de dente e a maior parte das dores que comumente são praga para a Humanidade.

Concluí dessas observações que qualquer imunidade à cárie dentária que o flúor possa prover é melhor fornecida por meio do flúor orgânico como mostra a análise do espectógrafo, tanto nosso trigo como nosso leite têm... A pessoas que se mudaram para cá (para o Condado de Deaf Smith) como número comum de cáries...não desenvolveram outras cáries...e nos dentes que com eles vieram há cinco anos ...as cavidades adquiriram superfícies duramente envidraçadas. Todas as cáries não foram cobertas como vidro porque não se consumiu inteiramente os alimentos daqui. Que forças fizeram com que aqueles dentes se deteriorassem ainda mais e começassem a reparar dano já feito? As mesmas que, digo, consertaram o osso quebrado de Johnnie e as lesões cardíacas de Freddie de acordo com o Dr. Price. Tanto os dentes cariados e tecidos doentes ficarão curados quando a causa do problema for removida. Essa causa é a sub-nutrição...a falta de uma dieta adequadamente equilibrada.

... um escritor no Jornal da Associação Odontológica Americana recentemente afirmou: 'Não me sentiria desafiado se me dissessem que a cárie dentária é o resultado de invasões bacterianas. ' Bem, desafio ele. Digo que 'invasão bacteriana' é invariavelmente e rapidamente solucionada pela resistência normal de uma boca saudável. Esses bichos, o Lactobacillus acidophilus, que os cientistas dentários dizem estar causando a deterioração dentária, são encontrados em todas as bocas; mas, quando o alimento é correto os tecidos são imunes.... Por que, então, que a taxa de cárie dentária varia de zero (como nalgumas familhas do Condado de Deaf Smith) até 95 por cento? Não é a quantidade de bactéria na boca do paciente, mas o alimento do qual ele tem vivido, que faz a diferença. A boca deve ser correta, quando o alimento é correto. Quando a boca é correta, as bactérias não prejudicam."

Quando a nutrição "perfeita" não previne cáries...

Talvez você conheça alguém que ingere todas as melhores coisas mas ainda não conseguiu impedir o progresso de suas cáries... Um exemplo que mostra e ilustra duas principais razões possíveis – dieta deficiente em minerais e oligoelementos – pode ser encontrado em HOW AND WHEN TO BE YOUR OWN DOCTOR [COMO E QUANDO SER SEU PRÓPRIO MÉDICO] da Dra. Isabelle A. Moser (1997). Como relata a Dra. Moser:

Recentemente, minha filha mais jovem (adulta) pediu meu conselho sobre escolher tratamento de canal ou a feitura de uma ponte. Isso levou a uma discussão de seus hábitos alimentares em geral. Ao defender sua atual dieta abaixo do ótimo contra minha gentil crítica, ela me lançou uma forte resposta. “Por que, perguntou ela, quando fui criada com tanta perfeição como criança, 'quando comia apenas alimentos orgânicos até os dez anos e madura o suficiente para que fosse mandada à escola pública, onde podia comer almoços escolares medíocres' (sua mãe insensível e sem coração deu-lhe educação em casa), 'por que mesmo naquela tenra idade, (antes de que ela, em sua rebelião de adolescente comeu alimentos de baixa qualidade) por que, naquela ocasião eu ainda tinha uma boca cheia de cáries?' E assim foi, Na idade de dez anos minha filha necessitou de cerca de dez obturações.

Essa linda filha de um naturopata praticante recebeu o que, à época, eu considerava virtualmente nutrição perfeita. Ela mamou muito nos seios abundantes da mãe até a idade de dois anos. Nesse período sua mãe seguia uma dieta de alimentos naturais. Após o desmame minha filha comeu apenas grãos integrais, um pouco de leite de cabra fresco, do nosso animal, frutas e muitos vegetais orgânicos. Iniciei o meu spa quando minha filha tinha cerca de cinco anos e a partir daquela data ela era, queira ou não, uma crudívora. E todo aquele alimento cru era orgânico e muito dele oriundo da enorme horta da Escola Great Oaks ...

... minha filha perfeitamente nutrida não poderia ter desenvolvido cáries! Mas ocorreu com ela. E se ela saiu de sua dieta perfeita, alimento ruim não poderia ser responsável a mais do que dois porcento de todo o seu consumo calórico, desde o nascimento até os dez anos. Eu era uma mãe responsável e me assegurava de que ela comesse corretamente! Agora minha filha perguntava por que ela tinha cáries....

Sim, inocentemente alimentei-a com comida abaixo do ideal, mas à época eu não podia comprar alimentos ideais, mesmo se soubesse o que queria, como também não tinha qualquer idéia científica de como produzir alimento ideal, nem poderia, em verdade, ter assim feito com base no solo barrento, empobrecido e lixiviado da Escola Great Oaks, mesmo que o soubesse fazer. A doutrina orgânica diz que você pode construir uma Horta de Alimentos com grandes quantidades de composto até que um fosso de barro ou um monte de cascalho produzem alimentos altamente nutritivos. Essa ideia não é realmente verdadeira. Tristemente, o que é verdadeiro sobre matéria orgânica no solo é que quando ela é aumentada muito acima do nível natural encontramos solo não cultivado no clima onde você trabalha, o conteúdo nutricional do alimento começa a cair marcadamente. Sei que essa afirmativa é chocante e talvez ameaçadora para aqueles que creem no sistema orgânico; sinto muito.

As reservas nutricionais da mãe (e da mãe da mãe) influenciam decisivamente a condição de saúde dos filhos (incluindo os dentes)

A Dra. Moser continua:

Mas há outra razão de os dentes da minha filha não serem perfeitos, provavelmente não pôde ser perfeito não importa o que a alimentamos e o porquê de ela ter provavelmente, ao menos alguns problemas de saúde [...] não importa com que perfeição ela escolha comer daqui para a frente. Minhas filhas tiveram o que o Dr. G.T. Wrench chamou de “um início pobre”. Não tão pobre como poderia ter sido de toda forma, mas certamente abaixo do ideal.

Veja você, o pai tem muito pouco a ver com a saúde da criança, a não ser que ele traga consigo algum gene particularmente indesejável. É a mãe que tem o trabalho de construir o feto a partir de nutrição antes do parto e das reservas nutricionais de seu próprio corpo.

O corpo feminino conhece, há milênios de experiência instintiva que a nutrição adequada do suprimento alimentar atual durante a gravidez não pode sempre ser assegurado, então o corpo da fêmea armazena grandes quantidades de minerais e vitaminas e enzimas contra essa mesma possibilidade. Ao formar um feto, essas reservas são diminuídas e exauridas. É virtualmente impossível, durante a própria gravidez, que uma mãe extraia nutrição suficiente do alimento atual para construir um feto totalmente saudável, não importa o quão nutritivo seja o alimento que está comendo. Portanto, a futura mãe necessita de passar toda a sua infância e adolescência (e ter adequado intervalo entre bebês), construindo e reconstruindo suas reservas.

Uma futura mãe também começou do seu nascimento, com um estoque fundamentalmente importante de reservas nutricionais, reservas que foram lá colocadas durante seu próprio desenvolvimento fetal. Se esse “início” foi abaixo do ideal, a futura mãe (como feto) foi “beliscada” e nutricionalmente diminuída de algumas formas predizíveis. Até mesmo pequenas deficiências minerais no feto degradam a estrutura óssea: o feto sabe que necessita reservas nutricionais a mais do que necessário para ter uma mandíbula e um maxilar totalmente desenvolvidos ou uma cintura pélvica larga e quando privado de nutrição fetal máxima, esses ossos não vitais tornam-se um pouco menores. Permanentemente. Se as deficiências minerais continuam na infância, esses mesmos ossos continuam a diminuir e a criança termina com uma face bem estreita, uma mandíbula e um maxilar pequenos demais para conter todos os dentes e, nas mulheres, uma cintura pélvica estreita que poderá ser problemático para gerar bebês. Ainda mais importante, essas reservas nutricionais direcionadas para produzir bebês também são deficientes. Assim uma mãe deficiente não apenas apresenta certa evidência estrutural de degeneração fisiológica, mas ela também gera bebês deficientes. Um bebê fêmea deficiente, ao nascer, provavelmente não superará seu início ruim, antes de que ela mesma tenha filhos.

Assim, com fêmeas, a qualidade da nutrição de toda uma vida e a nutrição vital de sua mãe (e da mãe de sua mãe também) tem muita relação com o resultado da gravidez. Os pecados da mãe podem ser realmente visitados até a terceira e quarta gerações.”

Um exemplo contrário encorajador: excelente dieta na gravidez = criança com bons dentes

JR, forte colaboradora desse site, nasceu de uma mãe que fumava, comia muito açúcar, etc e que transmitiu a ela o vício do açúcar que, que não é de surpreender, tornou-se visitante assídua do dentista. JR tem tomado tabletes de barrilha durante anos a fio (quando não consumia alga marinha) e as tem tomado religiosamente durante sua própria gravidez, além de uma boa dieta inspirada no livro de Adelle Davis "Let's Have Healthy Children" [Tenhamos Filhos Saudáveis]. Ela foi recompensada com um belo e saudável menino que, comparado a ela, possui dentes fortes e que em comparação a ela necessitou de pouca assistência odontológica ao crescer.

Minerais coloidais de origem vegetal
(60 a 80 minerais diferentes)

A julgar por evidência anedótica (conheço apenas um caso, até agora) e não surpreendentemente, suplementos minerais derivados de plantas podem ser poderosos assistentes na interrupção da progressão da cárie dentária.2

Adendos por CuraDente

Partindo de minha observação limitada, parece que nas famílias com vários filhos que se seguiram em curtos intervalos, a melhor saúde dentária é encontrada no primogênito, o que se aplicável genericamente, confirmaria as observações do Dr.Moser. De modo análogo, vários experimentos com animais (que CuraDente não endossa, do ponto de vista ético) principalmente o bem conhecido experimento com gatos, de Pottenger, conduzido durante várias gerações de gatos, demonstrou que com uma dieta deficiente, os filhos tornar-se-ão crescentemente doentes, sob todos os aspectos.3

Apesar de tudo o que foi mencionado, outra convincente escola de pensamento (que tem o dentista Dr. Nara como um de seus representantes mais proeminentes, autor do livro How To Become Dentally Self-Sufficient [Como tornar-se auto-suficiente, quanto aos dentes], que é citado [em inglês] aqui) afirma que, além da boa nutrição em geral, a meticulosa limpeza diária é de suprema importância na prevenção ou parada de cárie dentária e os êxitos que teve com seus pacientes provaram seu ponto de vista. Iem outras palavras, as influências e deficiências nutricionais maternas, sobre as quais temos pouco ou nenhum controle, podem ser menos decisivas que aquilo (ou pode efetivamente desencadear) desde que se mantenha excelente higiene oral diária. Compare a seção Cuidados dentários e higiene oral.

Notas de pé de página por CuraDente

1 Já que em matéria de saúde humana, há frequentemente um efeito placebo envolvido, eis aqui um artigo muito interessante em inglês Do healthy diets just work thanks to a placebo effect? Mineral needs of plants and placebo effect que deve ajudar a desarmar qualquer noção sobre minerais inclusos nessa categoria.

2 Também compare [em inglês] Produtos formulados para remineralizar dentes e esmalte, reduzindo cáries e sensibilidade.

3 Também compare o importantíssimo excerto de livro Dr. Herbert Shelton sobre as verdadeiras causas da cárie dentária, inclusive a importância de sais alcalinos (minerais) para a saúde dental e geral.

Links patrocinados

Nutrição e saúde dentária: todos os artigos de CuraDente

 
Copyright © 2017 CuraDente.com. Todos os Direitos Reservados.